Após confusão entre Sinésio e Zé Ricardo, direção nacional dita regras da eleição estadual do PT

Foto: José Ricardo e Sinésio Campos - Divulgação

A Secretaria Nacional de Organização do PT encaminhou nesta quarta-feira, dia 5, um ofício à Comissão Executiva Estadual do partido no Amazonas explicando, nos mínimos detalhes, como o PT-AM deve completar a eleição do diretório estadual do 7º Congresso.

O comunicado da Secretaria Nacional de Organização do PT não é um instrumento de rotina nas eleições internas do partido e demonstra o quanto ainda estão tensionadas as relações entre os membros do Partido dos Trabalhadores no Amazonas.

Os polos do acirramento de ânimos são as divergências entre o deputado estadual e presidente da sigla, Sinésio Campos, e o deputado federal e pré-candidato a prefeito de Manaus, José Ricardo.

Brigas e isolamento

Internamente, membros de várias tendências do PT – incluindo os que apoiaram José Ricardo nas duas recentes eleições internas – avaliam que o pré-candidato amplia a cada momento seu isolamento e que isso prejudica a candidatura dele em 2020.

Aliados de José Ricardo, temem que caciques políticos estaduais como o senador Omar Aziz (PSD), o senador Eduardo Braga (MDB) e até o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSD) exerçam influência sobre algumas lideranças da sigla para “segurar” a candidatura de José Ricardo em 2020.

Há, ainda, importantes lideranças internas do PT que, pedindo sigilo de fonte, avaliam que a postura de José Ricardo é interpretada como uma crença de que ele possa impor a candidatura em função das pesquisas eleitorais, que apontam favoritismo nas urnas. Ou que ele cogita se desfiliar do PT e disputar a eleição por outro partido.

Cargos do diretório estadual em disputa

As instruções, em minúcias, se referem à conclusão do 7º Congresso que reelegeu o deputado estadual Sinésio Campos como presidente estadual por mais quatro anos no PT-AM e não fez votação para os demais cargos do diretório estadual.

O grupo do deputado federal e pré-candidato a Prefeitura de Manaus José Ricardo questionou a não votação para as demais vagas.

A suspeita deles era que a suspensão da votação nos dias 19 e 20 de outubro foi uma manobra para evitar que a dispersão dos delegados de Sinésio implicasse em menor espaço do diretório.

Sinésio X Zé Ricardo

Na eleição de setembro para o diretório municipal, José Ricardo fez gestos de convergências com vários grupos, incluindo do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Valdemir Santana. O movimento tentava abafar a força interna de Sinésio que conta com 124 dos 300 delegados.

No entanto, Santana na eleição estadual apoiou Sinésio, que foi a 190 votos dos 300. José Ricardo tem 54 delegados.

Antes do Congresso Estadual que exibiu a confusão entre Sinésio e Zé Ricardo, havia expectativa de que todos poderiam convergir para a reeleição do deputado estadual e que seria feita uma declaração de apoio á candidatura do deputado federal.

Ao final, o que houve foram trocas de ofensas e ameaças à candidatura de José Ricardo.

Eleição interna

Os aliados de José Ricardo cogitaram questionar a eleição de Sinésio Campos, que tem apoio de mais da metade dos delegados que votam neste pleito interno.


Nas instruções enviadas pela Secretaria Nacional de Organização do PT à Comissão Executiva Estadual do PT há a indicação que a eleição deste sábado, dia 9, será somente para a direção estadual. “O Presidente Estadual já foi eleito em 19 e 20/10/2019”, diz o documento.

O documento dá direcionamento sobre quem pode e quem não pode votar e até dos horários que deve começar e terminar a consulta aos delegados.

O PT-AM terá uma reunião nesta quarta-feira, dia 6, para definir os detalhes da eleição de sábado, que deve ser realizada a partir de 12h no Sindicato dos Metalúrgicos.

Foto: José Ricardo e Sinésio Campos – Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *