Após governador afirmar que polícia tem independência, Arthur diz esperar isenção na investigação

Foto: Arthur Neto divulgação

O prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB) declarou nesta segunda-feira, dia 14, em entrevista, que espera uma investigação isenta sobre o homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues, que tem entre os suspeitos o enteado dele Alejandro Valeijo e policial de sua segurança particular, Elizeu da Paz.

“Nós vivemos num estado pleno de direito. Hoje é muito difícil, muito arriscado e até impossível alguém fazer uma investigação, que não seja de acordo com os princípios do Estado de direito que eu, como estudante e parlamentar, ajudei a consolidar. Ou seja, respeito aos direitos de cada um e fazer com isenção as devidas investigações e é só isso que tenho a dizer sobre este assunto. Mais nada. Mais nada. Mais nada”, declarou o prefeito.

Na sexta, dia 11, o governador Wilson Lima (PSC) declarou que o homicídio Flávio Rodrigues e a repercussão dele envolvendo o nome do prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto (PSDB) é um caso meramente investigativo e da polícia. O governador disse que a polícia tem independência para investigar.


Arthur Virgílio negou que tenha ocorrido uso da máquina pública no crime.

“Não houve uso de máquina pública. Isso tudo foi muito bem explicado pelo meu representante político, o Carijó na Câmara Municipal. Explicou muito bem”, declarou.

Ao contrário do primeiro posicionamento que adiantou uma versão e pediu para cessar suspeitas sobre o enteado, Arthur Virgílio ponderou que é preciso deixar a polícia investigar e se manter seguro que haverá respeito aos direitos humanos.

“Vamos deixar primeiro a polícia e depois a justiça se manifestar. E eu seguro que nós temos do nosso lado uma coisa que está acima de tudo, que são as garantias do estado democrático de direito. Portanto, de respeito aos direitos humanos”, afirmou.

Foto: Arthur Neto divulgação