Éden em fogo: há esperança na Amazônia

*Por Ariel de Andrade Molina

A toda comunidade planetária, de Manaus, coração da floresta amazônica, um clamor! Mas também um grito de esperança!

Conhecida por sua sociobiodiversidade, quando a Amazônia está no noticiário no Brasil e no mundo, é com imagens da floresta sofrendo ataques devastadores. Infelizmente, São Paulo e outras grandes cidades do Brasil só recentemente notaram a floresta, e foi quando nuvens de cinzas de árvores centenárias e animais de extraordinária beleza escureceram o céu e as chuvas lavaram o asfalto e o concreto com fuligem. A estação das chuvas chegou para extinguir os incêndios por um tempo, mas ainda há muita fumaça.

Muito mais do que os incêndios ou o avanço do agronegócio e da mineração na Amazônia, a crise que a pandemia nos trouxe torna ainda mais evidentes as consequências dos problemas socioeconômicos do subdesenvolvimento que vivemos diariamente e que afetam mais gravemente os pobres.

Alguém me disse: ‘Infelizmente, quando chegar a hora …’, mas isso é um absurdo. Não foi o momento para nenhuma das mais de 200.000 vidas brasileiras perdidas devido à irresponsabilidade de nossos líderes, a negação da ciência e a mediocridade genocida da cloroquina e da ivermectina.

A maioria das pessoas na Amazônia não tem emprego fixo ou a possibilidade de trabalhar remotamente em casa; vivem na informalidade, sempre invisíveis em seu dia a dia, mas hoje estão nas capas dos jornais. O governo cortou o auxílio financeiro à população, tornando alguns mais vulneráveis ainda ao vírus. Eles não sucumbiram ao Covid; eles foram assassinados pela política irresponsável de guerras de vacinas, desinformação, egoísmo, negação e perversidade.

Se fosse diferente, muitos possivelmente estariam aqui hoje com seus sorrisos habituais. No dia em que Manaus sente um dos piores golpes da pandemia, o Presidente da República afirma que vai garantir o direito de quem não quiser se vacinar. Agora, uma nova variante mais transmissível do vírus está circulando em Manaus.

Manaus é a maior e principal cidade da Amazônia brasileira, tem metade da população do estado do Amazonas, que é de mais de 4 milhões de pessoas, e experimentou um aumento de 25% em sua população na última década. Cidade grande, problemas maiores, e ainda mais pobreza. Mas qual é a verdadeira realidade do que acontece no mais conhecido cartão postal da floresta tropical?

O colapso dos sistemas de saúde e funerário experimentado em Manaus em 2020 está se repetindo. Desta vez, o cenário é ainda pior porque não há oxigênio suficiente para abastecer todos os hospitais. UTIs se transformaram em câmaras de asfixia. Antes da pandemia, Manaus tinha cerca de nove leitos de UTI e 27 respiradores para cada 100 mil habitantes, o que mostra a grande precariedade do sistema de saúde mesmo sem ter que lidar com uma pandemia.

Além disso, a capital é a única cidade do estado com infraestrutura para pacientes com Covid, mas agora alguns pacientes estão sendo transferidos para outros estados em operações logísticas complexas e com elevados custos financeiros. Tudo isso poderia ter sido evitado se não houvesse negação generalizada, negligência, corrupção e improbidade administrativa.

Hoje não há oxigênio suficiente, mas até o último suspiro, continuaremos lutando! Lutando para salvar o ar restante! Como podemos falar e querer avançar com o desenvolvimento sustentável na Amazônia se praticamente todos os igarapés da área urbana de Manaus estão poluídos? Se o aterro sanitário da capital atingiu seu limite e faltam alternativas, a não ser abrir outro buraco na floresta e continuar a contaminação dos córregos com seus rejeitos?

Ainda hoje há quem culpe a inacessibilidade de Manaus como pretexto para construir mais estradas na Amazônia, mas há 150 anos a cidade era considerada a Paris dos trópicos, o que mudou? A oposição à demarcação de terras indígenas e quilombolas e o desmantelamento de órgãos estatais para controlar o desmatamento como política de governo não são formas declaradas de racismo ambiental?

Há falta de consistência entre discursos e ações. A Amazônia ainda é uma colônia, um fardo pesado que não pode mais ser carregado. A defesa da sociobiodiversidade da Amazônia, patrimônio da humanidade, nosso pedaço da Pachamama, só pode ser mantida se houver justiça social. Isso inclui cuidar de nossa casa comum e daqueles que moram conosco. Só então os pulmões do mundo continuarão a respirar e nossos corações a bater!

Para criar esperanças neste momento que vivemos, há outras notícias locais que não chegam a todos: inúmeras ações de solidariedade estão em andamento em Manaus e na Amazônia como um todo, e desde o início da pandemia. Expedições de guerreiros destemidos que levam alimentos, remédios, máscaras e kits de higiene aos necessitados.

Existem também ações de apoio à economia solidária e à segurança e soberania alimentar, na capital e no interior. Hoje vemos uma cooperação dinâmica e espontânea acontecendo através das redes e mídias sociais dos moradores para compartilhar informações sobre eventuais estoques de tanques de oxigênio, o que evita que esses canais fiquem sobrecarregados com notícias sobre as mortes e tenham a função de efetivamente salvar vidas!

Que essas palavras sejam um chamado para compor uma ampla frente humanitária para Manaus e a Amazônia. Sim, tem muita gente aqui que realmente cuida e protege a floresta e seu povo, mas é preciso divulgar o que realmente está acontecendo, provocar pressão social e assim promover de forma efetiva as mudanças necessárias. Você pode ajudar e apoiar um dos esforços de ajuda já em andamento; consulte as informações anexadas abaixo. Juntos somos mais fortes e venceremos qualquer batalha!

Em solidariedade,

*Ariel de Andrade Molina é agroecólogo e ativista (ariel.molina_agroeco@yahoo.com.br)

#SOSManaus #SOSAM #SOSAmazonia

Ações solidárias em Manaus

Projeto Somar – A ONG está fazendo doações de EPIs e oxigênio. Para mais informações sobre o Projeto Somar, entre em contato pelo telefone: +55 92 98103-8708 (Ítalo Malveira). Instagram: @ projetosocial.somar

Instituto Ágape Manaus – A instituição promove apoio escolar, educação ambiental e doação de cestas básicas. Está recebendo doações para compra de material hospitalar e botijões de oxigênio. Para mais informações, ligue: + 55 92 99498-8675 / suelenaraujo8@gmail.com Instagram: @institutoagapemanaus

Bora Ajudar – A ONG promove o voluntariado e está recebendo doações para a compra de EPIs, oxigênio e material hospitalar. Para mais informações sobre conta bancária, ligue: +55 92 98134-0832. Instagram: @boraajudar

Mais amor Manaus – A ONG distribui cestas básicas e está recebendo doações para a compra de EPIs, oxigênio e material hospitalar. Para informações gerais e conta bancária, ligue para +55 92 98134-0832. Contato: projetomaisamormanaus@gmail.com (Cezar Mirabel). Instagram: @ maisamor.am

Salaada Solidário – A ONG distribui alimentos para pessoas isoladas na Amazônia e está recebendo doações para a compra de EPIs, oxigênio e material hospitalar. Para mais informações ligue: +55 92 98134-0832. Instagram: @salaadasolidario

Amor sem Caô – A ONG doa cestas, brinquedos e atividades infantis no Amazonas e está recebendo doações para a compra de EPIs, oxigênio e material hospitalar. Para mais informações ligue: +55 92 98157-8588. Instagram: @amorsemcao

Doações de medicamentos: Medicamentos, materiais descartáveis ​​e EPIs pode ser doada à Central de Medicamentos do Amazonas (CEMA), na Avenida Duque de Caixas, 1.998, bairro Praça 14. O órgão é estadual. Mais informações: direcaocema@saude.am.gov.br; tel. +55 92 3131-2802; +55 92 3131-2800.

REMA – A Rede Maniva está há 10 anos contribuindo no estado do Amazonas com a promoção da Agroecologia e parcerias locais e solidárias. A rede está trabalhando em conjunto com as CSAs (Community Support Agriculture) locais e o Slow Food Manaus, e precisam de apoio para ajudar os agricultores familiares. A REMA trabalha para garantir a segurança das operações do único mercado de produtores orgânicos de Manaus durante a pandemia, para que os produtores possam manter a produção de alimentos e contribuir para a saúde de todos. A rede também faz doações periódicas de cestas básicas aos agricultores e também cestas de alimentos vegetais para pessoas carentes, com apoio financeiro de consumidores e outros apoiadores. https://www.vakinha.com.br/vaquinha/sem-agricultores-nao-ha-alimentos

Instagram: @redemaniva

Onisafra – O Mercado Solidário é uma iniciativa da Onisafra com a Associação Polo Manaus Digital e a Campanha Mão Solidária. No início da Pandemia, mais de 20 toneladas de alimentos foram doados e desta vez queremos ajudar novamente. As doações recebidas serão destinadas à compra de alimentos básicos e hortaliças para entrega às famílias em situação de vulnerabilidade social. https://onisafra.com/manaus/mercado-solidario/

Instagram: @onisafra

Instituto Mana –  A organização trabalha em prol da emancipação feminina, promoção e defesa do diretos das mulheres e combate a violência de gênero contra mulheres cis e trans. Com as doações estão comprando fraldas (adultas e infantis), leite, água, mascara e avental, luvas, gorros e toucas e cilindros de oxigênio. Instagram: @oinstitutomana

Comunidade Parque das Tribos, em Manaus – O Parque das Tribos, considerado o primeiro bairro indígena de Manaus, precisa da sua ajuda! São cerca de 700 famílias morando atualmente no Parque das Tribos, sendo 80% indígenas de 35 etnias. O financiamento coletivo foi criado com o objetivo de arrecadar dinheiro para a compra de fardos de alimentos para as famílias. Muitas estão em situação de emergência!

Para contribuir com a vaquinha virtual acesse:

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-os-moradores-do-parque-das-tribos?utm_source=isa&utm_medium=&utm_campaign

Informações sobre as ações retiradas de https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2021/01/15/manaus-sem-oxigenio-saiba-como-doar-para-a-compra-de-cilindros-e-epis.htm e atualizadas.

Rede de Solidariedade das Mulheres de Manaus – Apoia mais de 100 mulheres “Pelo Direito de Ficar em Casa” destinada às chefes de família, da periferia de Manaus, ação coordenada pelo Fórum Permanente de Mulheres de Manaus (FPMM), Observatório da Violência de Gênero no Amazonas, Coletivo Luisa Mahin e Coletiva Banzeiro Feminista.

Estão sendo doadas cestas básicas, hortaliças orgânicas, barras de sabão e água sanitária. Doe no site: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-a-rede-de-solidariedade-das-mulheres-de-manaus

Informações sobre as ações retiradas de https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2021/01/15/manaus-sem-oxigenio-saiba-como-doar-para-a-compra-de-cilindros-e-epis.htm e atualizadas.

Como apoiar outras comunidades na Amazônia: