A sacralidade do teto de gastos da autocracia burguesa e a Manaus sem teto, pão e sepultura

Foto: Enterro no cemitério Nossa Senhora Nossa Senhora de Aparecida, no Tarumã, nesta sexta-feira, dia 8. (Rosiene Carvalho)

*Por José Alcimar

          01. O canto épico (prefiro esta classificação à de poema dramático) de João Cabral de Melo Neto nos dá a medida da vida severina dos empobrecidos dessa terra, de Álvares Cabral a Cabral Filho. Por que garantir aos mortos a terra que em vida já lhes foi expropriada? ...  Ver mais

Continue lendo

O deus Ianus e o Brasil de passado incerto e futuro sob sombras: sete notas filosóficas

Imagem: Ianus, divindade romana com duas faces opostas, a indicar a transição entre o fim e o início.

*Por José Alcimar

Nem um só valor conquistado pela humanidade se perde de modo absoluto; tem havido, continua a haver e haverá sempre ressurreição. Chamaria a isso de invencibilidade da substância humana (grifo da autora), a qual só pode sucumbir com a própria humanidade, com a história. Enquanto houver humanidade, enquanto houver história, haverá também desenvolvimento axiológico no sentido acima descrito (Agnes Heller). ...  Ver mais

Continue lendo

Quem rege o jornalismo do Amazonas?

Continue lendo

Manaus do Mercado Adolpho Lisboa e do Marcondes do Mel: reflexões benjaminianas

Foto: (Foto: Robervaldo Rocha/CMM) Via site Amazonas Atual

          01. No vídeo abaixo aparece a minha sobrinha Jamyla de Oliveira Mussa Dib, filha de minha irmã Dulce Enilde de Oliveira, cearense de Jaguaruana, Ceará. Ambas trabalham no Mercado Adolpho Lisboa, em Manaus, no recanto Dulce das Ervas, bem visível e situado à esquerda do final do corredor para quem entra pelo pórtico principal do conhecido Mercadão. Comparada à degradada arquitetura da dita Feira da Manaus Moderna, a bela construção do Adolpho Lisboa ainda assoma como um restrito oásis na Manaus maltratada pelo arrivismo do capital.    ...  Ver mais

Continue lendo

Cem anos de Clarice Lispector: sobre ratos e Brasília ou a triste partilha do erro

Foto:  Acervo IMS/Reprodução via guiadoestudante.com.br

*Por José Alcimar

01. Clarice Lispector, que nos deixou em 1977, havia manifestado em forma de crônica seu estado de  pavor em relação à capital federal: lugar onde “o ser orgânico não se deteriora. Petrifica-se. Se há algum crime que a humanidade ainda não cometeu, esse crime novo será aqui inaugurado (…)”.  ...  Ver mais

Continue lendo

A Filosofia, a bandeira e o vermelho da vida, da alegria e da luta

Imagem: rosa vermelha (www.adf.org.br)

*Por José Alcimar

          01. Criado pela UNESCO em 2002, o Dia Mundial da Filosofia é comemorado na terceira quinta-feira do mês de novembro. Nesse 2020, e marcada pela pandemia do coronavírus, a comemoração da Ave de Minerva coincide com o Dia da Bandeira do Brasil que, para parte da direita e a totalidade da ultradireita, nunca será vermelha.  ...  Ver mais

Continue lendo

A alegria do encontro do real com a verdade

*José Alcimar

01. A verdade é o modo de ser do real, que sempre tem precedência ontológica sobre o legal. Há sempre alegria quando o real se encontra com a verdade. Diz a sabedoria bíblica dos Provérbios que “sob o governo dos justos o povo se alegra; mas quando o ímpio domina, o povo geme” (29,2).  ...  Ver mais

Continue lendo

Sob o olhar trágico da preguiça

Foto: reprodução redes sociais

*José Alcimar

01. Hoje, num vídeo que circula nas redes sociais, uma Preguiça é salva do trânsito por um motorista. Ela parece agradecer. Se é permitida a leitura antropomórfica, há mais tristeza que agradecimento no gesto animal da preguiça que, impotente, vê seu território invadido pela velocidade insana dos automóveis que, com os celulares, estão entre os mais desejáveis ícones de consumo da barbárie erguida pela (in)civilização do capital. Meu carro (ou celular), meu ser.   ...  Ver mais

Continue lendo