Sobre a filosofia do jardim, o adoecimento e o ódio à vida

Imagem: Antal Strohmayer, O Jardim dos filósofos, 1834. Via https://medium.com/@brenoserson/epicuro-e-seu-jardim-filos%C3%B3fico-20b029c94bb0 )

José Alcimar de Oliveira*

De fato, assim me parece agora aquele longo tempo de doença: descobri a vida e a mim mesmo como que de novo, saboreei todas as boas e mesmo pequenas coisas, como outros não as teriam sabido saborear – fiz da minha vontade de saúde, de vida, a minha filosofia… (Nietzsche). ...  Ver mais

Continue lendo

A pandemia de covid-19, a universidade e a democracia

Ufam (Divulgação)

Marcelo Seráfico*

Em fevereiro de 2020, passamos a viver, nós da UFAM (Universidade Federal do Amazonas) e todo o mundo, um grave problema de saúde pública global, o espraiamento de um vírus que contaminou, até hoje, cerca de duzentas e cinquenta milhões de pessoas em todos os continentes do planeta, das quais mais de cinco milhões não resistiram, seiscentas mil destas no Brasil.  ...  Ver mais

Continue lendo

O que comemorar nos 352 anos da Manaus desfigurada e colapsada pela necrocracia do capital?

MANAUS, 14/07/2014 AVENIDA TORQUATO TAPAJOS, ZONA NORTE FOTO: ROBERVALDO ROCHA / CMM

José Alcimar de Oliveira *

“A cidade nos faz livres” (M. Weber)

01. O que faz da cidade uma  cidade? Desta palavra  procedem os conceitos de cidadania e cidadão. É possível uma cidade apartada do ideal da cidadania? Ou uma cidade sem lugar para cidadãos ou cidadãs?  Devemos a Aristóteles a mais completa e filosófica teoria da cidade do mundo antigo.   ...  Ver mais

Continue lendo

Brasil: do quarto de despejo à negação da infância (o evangelho de Carolina Maria de Jesus)

Maria Carolina de Jesus

José Alcimar de Oliveira*

… Os preços aumentam igual as ondas do mar. Cada qual mais forte. Quem luta com as ondas? Só os tubarões. Mas o tubarão mais feroz é o racional. É o terrestre.  / … Os bons eu enalteço, os maus eu critico. Devo reservar as palavras suaves para os operários, para os mendigos, que são escravos da miséria (13 de junho de 1958). ...  Ver mais

Continue lendo

Nordestino: cabra marcado para lutar e resistir na luta

Foto: https://www.ctn.org.br/

José Alcimar de Oliveira*

Como é necessário o pão diário

É necessária a justiça diária.

Sim, mesmo várias vezes ao dia (Bertolt Brecht).

                01. 08 de outubro de 2021: dia do Nordestino. O Nordestino, o sertanejo para Euclides da Cunha, “e antes de tudo um forte”. Como o Brasil seria pálido, triste, retensivo e carente dos bons afetos do mundo sertanejo sem a presença multidiversa dos nordestinos, inclusive do Ceará de meus pais.   ...  Ver mais

Continue lendo

Sobre escrever em tempos de retrocesso do pensamento

José Alcimar de Oliveira*

Escrever é sangrar. Sempre, desde a Bíblia. Se não sangra, é escrever? (João Antônio, 1937-1996).  

                01. O ato de escrever pode ser comparado ao paciente trabalho do artesão, do tecelão, do escultor.  Os conceitos são a matéria de quem escreve. Escrever implica artesania, tecer ideias, esculpir conceitos, domar palavras, conferir organicidade às ideias. A escrita disciplina a fala.  ...  Ver mais

Continue lendo

Paulo freire, educador do oprimido como classe

 José Alcimar de Oliveira *

O otimismo, em sua essência, não é um ponto de vista sobre a situação presente, mas uma força vital, uma força da esperança onde outros resignam, uma força para manter a cabeça erguida quando tudo parece falhar, uma força para aguentar reveses, uma força que jamais cede o futuro ao adversário, mas o reclama para si. Certamente existe também um otimismo covarde, tolo, que deve ser rejeitado. Mas ninguém deve colocar sob suspeição o otimismo como vontade voltada para o futuro, mesmo que ele erre centenas de vezes (Dietrich Bonhoeffer, 1906-1945, pastor protestante executado a mando de Hitler no dia 09 de abril de 1945). ...  Ver mais

Continue lendo

Brasil da regressão política rumo a um estado-pária: notas filosóficas

José Alcimar de Oliveira *

Assim, a filosofia se vê rodeada de inimigos, a maioria dos quais não tem consciência dessa condição. A autocomplacência burguesa, os convencionalismos, o hábito de considerar o bem-estar material como razão suficiente de vida, o hábito de só apreciar a ciência em função de sua utilidade técnica, o ilimitado desejo de poder, a bonomia dos políticos, o fanatismo das ideologias, a aspiração a um nome literário – tudo isso proclama a antifilosofia. E os homens não o percebem porque não se dão conta do que estão fazendo. E permanecem inconscientes de que a antifilosofia é uma filosofia, embora pervertida, que, se aprofundada, engendraria sua própria aniquilação (Karl Jaspers, 1883-1969).    ...  Ver mais

Continue lendo