Sobre a Amazônia (em chamas), Heráclito, Paulo Freire e Habermas: sete notas filosóficas

* Por José Alcimar de Oliveira

Ao educador maior desse país, Paulo Freire (1921-1997), in memoriam, na data em que completaria 99 anos.

01. Era o dia 06 de maio de 1982 no velho Auditório Dr. Zerbini, da então Faculdade de Ciências da Saúde (FCS) da UA (Universidade do Amazonas), hoje UFAM (Universidade Federal do Amazonas). Tarde de muito sol dos luminosos anos de 1980. A ditadura empresarial-militar, que desde o golpe de 1964 sufocava o país, já não mais era associada à ideia de “milagre econômico” difundido pela Ideologia da Segurança Nacional.  ...  Ver mais

Continue lendo

Dia do filósofo: o desafio de manter o amor à sabedoria diante do ódio ao pensamento

Imagem: Estátua do filósofo grego Sócrates (site novaescola.org.br

Por José Alcimar de Oliveira

É preciso destruir o preconceito, muito difundido,
de que a filosofia é algo muito difícil pelo fato de ser
a atividade intelectual própria de uma determinada categoria
de cientistas especializados ou de filósofos
profissionais e sistemáticos. É preciso, portanto,
demonstrar preliminarmente que todos os
homens são filósofos (Antonio Gramsci)
 ...  Ver mais

Continue lendo

Dom Pedro Casaldáliga: bispo, pastor, profeta, poeta, santo e mártir

Foto: Dom Pedro Casaldáliga (Portal Vermelho)

José Alcimar de Oliveira *

01. Em sua figura corporal frágil habitava um verdadeiro vulcão, feito de ira santa, indignação profética e compromisso evangélico na defesa da vida dos pobres, camponeses, indígenas, contra o latifúndio e a violência dos grandes malfeitores desse Brasil até hoje constituído como uma República Oligárquica de Privilégios.  ...  Ver mais

Continue lendo

O golpe continuado

Foto: Reprodução da reunião ministerial do presidente Bolsonaro do dia 22 de abril

*Por José Alcimar

Diferentemente do Golpe de 1964, empresarial-militar, com tanques na rua, o golpe em curso, com um primeiro desfecho em 2016, segue outra linha, haja vista a via eleitoral da ascensão ao poder de um presidente que se utiliza da democracia, da frágil democracia brasileira, para destruí-la a partir de dentro.  ...  Ver mais

Continue lendo

O Centrão, a infelicidade da consciência feliz e a mentira sob medida

*José Alcimar de Oliveira

01. Se para Aristóteles há diversas formas de nominar o ser, nem sempre o ser corresponde ao que é dito pelo nome. A medida do ser nunca é comensurável à medida do nome. Mas não é de somenos o que o poder de quem pode nominar tem sobre o ser. A razão filosófica, ou precisamente quem pensa o ser no itinerário dialético da ontologia do ser social, trabalha noutra direção: a autoridade do nome não procede do poder de quem nomina, mas da objetivação histórica que o sujeito social, munido de mediações dialéticas, é capaz de elaborar acerca do mundo subjetivo da consciência, do mundo objetivo das coisas e do mundo socialmente constituído.  ...  Ver mais

Continue lendo