Prefeito de Manaus avalia “restrição drástica” para não vacinados: “Colocam em risco a vida de todos”

Foto: Prefeito de Manaus, David Almeida. (Divulgação/Semcom)

O prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), declarou que cogita tomar medidas de “restrição drásticas” às pessoas que se negam a tomar vacina. Neste sábado pela manhã, em suas redes sociais, o prefeito anunciou o cancelamento da festa de réveillon na cidade em função dos riscos da nova variante Ômicron, o avanço da mesma em 38 Países e a falta de informações a respeito da resposta imunológica das vacinas para a nova cepa.  

“É preocupante. Eu preciso fazer um lockdown. Um lockdown de quem não se vacinou. Eu não sei se seria tão radical a isso, mas a gente tem que restringir a presença. Porque essas pessoas colocam em risco a vida de todo mundo. Vai ser parte da decisão que vou tomar na segunda-feira (dia 6) para comunicar na terça (dia 7) porque não podemos ficar reféns das pessoas que não querem se vacinar. Loucura”

Em entrevista à TV Norte Amazonas nesta sexta-feira, dia 3, David Almeida disse ser favorável à obrigatoriedade da vacina e afirmou que medidas drásticas precisam ser tomadas. A entrevista foi concedida ao programa Pensa Comigo, apresentado pela jornalista Samira Benoliel, o professor e filósofo Davidson Cavalcante e contou com a jornalista Rosiene Carvalho, como convidada.

“Precisamos, sim, tomar medidas mais drásticas, mais restritivas a quem não quer se vacinar. Exigir também o passaporte de vacina, naquele aplicativo. Estive, agora, em Brasília e eles exigem. Em Brasília, eles aboliram o uso de máscaras em local público e estão com esquema vacinal menor que o nosso. Nossa intenção aqui é dar segurança à população, tínhamos a perspectiva de liberar o uso de máscaras, mas, com a chegada da Ômicron, esta intenção foi momentaneamente brecada”, declarou.

David Almeida voltou a defender que, em se tratando de saúde, as pessoas não devem ouvir seus pastores e nem lideranças políticas e sim os médicos e a ciência.

“Se você olhar, tem pessoas próximas a você que tomaram a primeira dose e não voltaram para tomar a segunda dose. Isso é uma irresponsabilidade. Isso coloca em risco a vida da sua família, dos seus amigos, do seu trabalho e a sua mesmo. Qual o problema? Temos vacina em abundâncias e as pessoas não estão indo se vacinar”, disse.

Na postagem deste sábado sobre o cancelamento do réveillon da cidade, David Almeida afirma que o evento representava a previsão da geração de 24 mil empregos diretos e indiretos. “A preservação da vida e da saúde dos manauaras sempre foi e continuará sendo o motivo principal da nossa gestão”, disse justificando o cancelamento.

O prefeito também usa o anúncio para convocar as pessoas que ainda não estão imunizadas. “Aproveito para convocar, diante deste cenário, a todos aqueles que ainda não completaram o seu ciclo vacinal contra a COVID-19. Procure uma de nossas UBS o mais breve possível, já que estamos com mais de 300 mil sem a segunda dose e 154 mil, ainda, sem nenhuma dose. A vacina ainda é a nossa principal arma para vencer a COVID-19”..

De acordo com dados divulgados pela Prefeitura de Manaus, em seu site, 335.516 ainda não voltou para receber a segunda dose dos imunizantes contra a Covid-19. Outras 157.671 pessoa não tomaram sequer uma dose dos imunizantes disponíveis gratuitamente na rede pública.

Percentuais

De acordo com o Vacinômetro da Prefeitura Municipal de Manaus, em relação à população vacinável, 91,40% tomou a primeira dose, 74,50% tomou a segunda dose e 10,29% a terceira dose.

O Vacinômetro mostra ainda que o percentual de vacinados em relação à população geral de Manaus é de 73,55% com a primeira dose e 59,98% com a segunda dose.

Assista a entrevista na íntegra, no link abaixo: