Santana dispara em votos e disputa 2º turno com candidato de José Ricardo

Foto: Amazonas Atual

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos e da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Valdemir Santana, e o funcionário público Sabá Magalhães passaram para o segundo turno da eleição da direção municipal do PT. É a direção municipal que vai conduzir o processo de alianças e construção de candidaturas para as Eleições de 2020.

Se vencer no segundo turno, que deve ser realizado no dia 28, o grupo de Santana deve presidir pela 5ª vez consecutiva o diretório municipal do PT. A atual presidente, Odimar Guimarães, é aliada dele.

A eleição interna para as direções municipais do PT ocorreu neste domingo, dia 8, em todo País. Em Manaus, houve votação em quatro pontos da cidade. De acordo com levantamentos iniciais dos votos, o candidato Valdemir Santana disparou na frente dos outros candidatos.

Informações prestadas ao blog pelo PT, com votação ainda não fechada, por volta de meia-noite, indicava que Santana contabilizava mais de 960 votos, enquanto o segundo colocado Sabá Magalhães registrava cerca de 650 votos. Os dados da votação devem ser consolidados na manha desta segunda-feira, dia 9.

O terceiro colocado, nesta apuração inicial que o blog recebeu, foi o tesoureiro do PT, Luiz Borges, candidato do deputado estadual e presidente estadual do PT, Sinésio Campos. Recebeu cerca de 590 votos.

Em quarto lugar, ficou Otoni Diógenes, o candidato da corrente do ex-senador João Pedro, que recebeu cerca de 400 votos, seguido pelo vereador Sassá da Construção (300) e Núbia Rios (207).

José Ricardo

Apesar de distante de Santana, a votação do candidato de José Ricardo, Sabá Magalhães, foi recebida como surpresa dentro e fora do PT e interpretada como demonstração do carisma que o pré-candidato a prefeito de Manaus tem alcançado internamente na sigla neste início de processo eleitoral para 2020.

No PT, alguns filiados avaliam que poder ser difícil tirar a vantagem que Santana demonstrou na votação em primeiro turno. Alguns se queixam que a presidência dele na CUT e no Sindicato dos Metalúrgicos pesa nas votações internas e mais uma vez pode ter sido decisiva em seu favor.

Há ainda os que avaliam que, em função de aproximações e conversas que já começaram a ser travadas entre os grupos internos, uma eventual presidência de Santana não é uma pedra no sapato de José Ricardo na construção da candidatura para 2020.

Foto: Site Amazonas Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *